Voltar

Por Camila Almeida

É com larga vantagem que o uso de cartões é preferência pelos turistas quando o assunto é segurança. Em qualquer ocorrência basta pedir o bloqueio para evitar que outra pessoa desfrute das suas economias em outro país. E ao obter um novo, não há perda de saldo. Mas este não é o tipo de lembrança que se deseja ter de uma viagem. A fim de se precaver, melhor considerar as formas de se consumir em moeda estrangeira. Cartões pré-pago e de crédito têm, cada um, suas vantagens e desvantagens, confira:

Pré-pago

Este tipo de cartão pode ser adquirido em qualquer banco, casas de câmbio e empresas especializadas. Vale considerar se ele vem com uma das bandeiras mais aceitas, como Visa, Mastercard e American Express. Há uma cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 6,38%. “A operadora do cartão pré-pago cobra saques em dinheiro no exterior e taxas de administração”, explica o professor do curso de pós-graduação em Controladoria e Finanças do Senac, Roberto Kovacsik. Ele comenta que não existe um limite para compras com este cartão, mas sim para o saque nas redes das bandeiras das operadoras.

O valor é debitado na moeda do país e convertido automaticamente pelo câmbio na data da transação.

A principal diferença do pré-pago para o cartão de crédito se dá quando a viagem é planejada. Ao garantir a compra da moeda nas melhores cotações – seja em dias de baixa ou negociado com casas de câmbio – o valor de recarga compensará mais do que a surpresa da fatura do cartão de crédito.

Crédito

Como o próprio nome diz, esta modalidade de compra nada mais é do que um empréstimo. Você adquire poder de compra e paga depois por ele. Para uma viagem é mais confortável a ter que pensar nas finanças a todo instante e assim, desfrutar de cada momento. O limite de crédito no cartão vai depender da sua relação com o banco ou a operadora.

Entretanto, tal vantagem tem seu preço, tanto em tarifas como no câmbio. O cartão de crédito tem a mesma tarifa de IOF que o pré-pago, de 6,38%.

Antes de viajar é importante conversar com o seu gerente, pois é ele quem habilitará o cartão de crédito na modalidade internacional, como é ele também quem poderá aumentar o limite de crédito conforme a sua necessidade,

explica o professor. Ele diz ainda que conforme for o acordo com o banco, as taxas podem ser isentas. Por isso, vale negociar.

As compras são feitas na moeda local e convertidas pela taxa de câmbio em dólares (confira a cotação do dólar hoje). “E o pagamento do cartão é feito em reais convertidos pela taxa de câmbio no dia do vencimento da fatura”, acrescenta o professor. Esta é a desvantagem do cartão de crédito. Kovacsik explica que, por haver a possibilidade da taxa de câmbio subir, o valor da fatura pode ser maior em reais do que na data da compra.

A alternativa para compensar tais despesas é utilizar programas de milhagens oferecidas no cartão e verificar também a inclusão do seguro-viagem, quando habilitado internacionalmente. E depois é importante informar o retorno ao país, a fim de evitar fraudes com o seu cartão.


Imagem: morgueFile