Voltar

Por Alexandre Monteiro

Viajar para o exterior significa muito planejamento, principalmente quando o assunto é dinheiro. Não importa para qual país você queira ir, é preciso estar atento à economia de lá e se preparar com antecedência. Para entender tudo sobre como funciona a compra de moeda estrangeira, o MelhorCâmbio.com criou este material completo para te ajudar. Vamos lá?

Que tipo de moeda comprar: turismo ou comercial?

Isso depende da natureza da operação comercial feita. É como comprar em uma loja com preços em atacado, varejo e outro especial para membros do clube de vantagens. No Brasil, estamos acostumados a acompanhar mais as seguintes categorias para o dólar, mas esse sistema contempla outras moedas também. Confira a diferença:

Turismo: essa é a moeda estrangeira que você usa para viajar, fazer compras e pagar suas despesas lá fora. Essa categoria é sempre mais cara do que as outras por causa do seu alto custo de manuseio e do spread – a diferença entre o que é cobrado de você e o custo real da moeda. Na hora de comprar euro, por exemplo, você precisa do dinheiro em espécie, que a casa de câmbio no seu bairro precisa ter para comercializar. Essa necessidade de ter o papel moeda torna a operação mais cara. Essa modalidade também é usada para a recarga de cartão pré-pago, porque envolve a conversão de moedas.

Comercial: é a opção usada para negociar contratos de importação e exportação de empresas brasileiras e estrangeiras. Também é usada para transferências financeiras e operações do governo, como as reservas internacionais de dólar. A categoria envolve a movimentação de grandes somas de dinheiro a um custo baixo para ser operado, o que explica sua cotação mais baixa. É como se o comercial fosse o atacado e o turismo fosse o varejo. Por isso, esse tipo de negociação é controlado pelo governo, como a entrada de dólares de investidores estrangeiros, por exemplo. Quando você viaja e usa o cartão de crédito internacional, a cotação do dólar ou euro usada é a comercial. Isso acontece porque nem você, nem o banco ou a administradora do seu cartão precisam ter o dinheiro “em mãos” para pagar a fatura, o que diminui o custo.


Compra ou venda: qual valor das casas de câmbio eu devo considerar?

Na hora de consultar o valor da compra e venda de moeda estrangeira, é importante sempre ver a transação como se você fosse o atendente da casa de câmbio. Ou seja: a compra de moeda se refere a quanto eles vão comprar a moeda de você, enquanto a venda significa por quanto eles vão vender para você.


Qual a melhor forma de levar dinheiro para o exterior?

Cada viagem tem um propósito diferente. Para cada necessidade, existe uma forma ideal de levar seu dinheiro para o exterior. Reunimos todas abaixo para você avaliar qual a melhor escolha para a sua viagem. Confira:

→ Dinheiro em espécie

Tarifa IOF: 0,38%

Limite: US$ 3 mil ou equivalente a R$ 10 mil (para valores maiores, você precisa apresentar comprovante de renda)

Prós: bom para negociar preço e comprar onde não aceitam máquina de cartão (como feiras livres, bazares e táxi); prático para quem compra antes de viajar e não precisa saber idioma local, nem procurar corretoras

Contras: perigo de perda ou roubo

Onde adquirir: casas de câmbio credenciadas no Banco Central e no seu banco. Confira agora a melhor cotação das corretoras na sua cidade aqui.

→ Cartão pré-pago

Tarifa IOF: 6,38%

Limite: não existe limite de recarga, porque você paga IOF a cada depósito. Existe limite para número de saques, que depende do caixa eletrônico que você usar

Prós: bandeiras Visa e Mastercard, aceitas no mundo todo; vale a cotação do dia da recarga; é mais seguro do que dinheiro; permite saques ou uso como cartão de débito nas lojas; a recarga pode ser feita online, telefone ou por pessoas autorizadas no Brasil

Contras: cobrança de taxa por saque; pode ter taxa de administração; a cotação é na modalidade turismo, mais cara; a recarga é feita somente na mesma corretora ou banco que emitiu; em caso de perda ou roubo, o valor da recarga é garantido, mas podem cobrar o equivalente a US$ 20 pela emissão de novo cartão

Onde adquirir: casas de câmbio e bancos

→ Cartão de crédito

Tarifa: 6,38% (IOF)

Limite: o que a operadora autoriza na categoria do seu cartão

Prós: sem manuseio de dinheiro, nem necessidade de recargas; o pagamento é feito em um dia só; há programa de milhas; é mais seguro; cotação na modalidade comercial, mais barata; permite saques; a conversão da moeda só é feita no dia do vencimento da fatura

Contras: é cobrada taxa extra pelo uso internacional e quando é feito saque; a cotação no dia do vencimento da fatura pode estar mais alta do que no dia da compra; você pode perder o controle dos gastos durante a viagem

Onde adquirir: bancos e administradoras de cartões. Se já tiver, habilitar para uso internacional

Dicas para fazer a melhor escolha

→ A combinação mais segura: leve uma quantidade de dinheiro em espécie para emergências e outra quantidade no cartão de crédito ou pré-pago.

→ Alguns países exigem que o turista apresente uma quantia mínima de dinheiro em espécie, como prova de que terá como se manter lá e voltar ao Brasil. Procure o consulado do país de destino para saber se é o seu caso.

→ A cotação do banco costuma ser menor do que nas casas de câmbio e varia ainda mais se você tiver um ótimo relacionamento com o seu gerente. A taxa pelo serviço geralmente é mais cara, mas pode compensar dependendo do valor negociado. Faça as contas e, sempre que possível, negocie.

→ Cada corretora ou banco define quais documentos são necessários para comprar ou vender moeda estrangeira. Os principais são o RG (ou qualquer documento com foto) e o CPF. Se o valor for alto, podem pedir comprovante de residência e de renda.

→ Hoje em dia, você também pode comprar e vender moeda estrangeira por telefone e a corretora entrega o valor encomendado onde você quiser. O pagamento é feito antes, por depósito bancário, ou na hora da entrega.

→ Se quiser ir pessoalmente à loja, agende um horário para não ter surpresas. Nem sempre a corretora tem toda a quantia que você precisa. Ligue com um dia de antecedência e informe o valor que quer comprar.

→ Em algumas cidades, as cotações variam não só entre estabelecimentos, mas também entre os bairros. Uma casa de câmbio no aeroporto costuma ter cotação absurdamente acima da oficial e ainda cobrar taxa de administração.


Quando comprar moeda estrangeira?

Antes de tudo, esteja preparado para começar a comprar assim que planejar a viagem. Faça seu orçamento e calcule quanto precisa guardar por mês antes de partir. Dentro disso, inclua uma estimativa de gastos diários, compra de souvenirs, etc. Assim, você vai saber quanto precisa comprar de moeda em espécie e quanto pode usar no cartão de crédito ou pré-pago.

Acompanhe as notícias de economia diariamente. Pode ser que alguma notícia do mercado financeiro baixe a moeda de forma repentina e você precise se apressar para aproveitar a cotação. O dólar, por exemplo, está sempre mudando seu valor durante o dia.

Defina um valor máximo para pagar pela moeda estrangeira. Assim, caso a cotação não diminua, você sabe qual é o limite e aproveita a cotação antes que fique mais cara do que o que você pretendia pagar. Mas também não espere demais. Não adianta esperar o dólar baixar a R$ 3,20, por exemplo, pois pode ser que isso demore para acontecer e isso vai comprometer seus planos de viagem. Por isso, não deixe para comprar na última hora.

Não compre tudo de uma vez. Vá comprando pequenas quantidades ao longo do planejamento da viagem. Assim, você pode aproveitar as cotações baixas, quando houverem. Não se arrependa nem se culpe por pagar um preço e, no dia seguinte, a cotação cair. Comprar moeda estrangeira é assim mesmo: é preciso correr riscos, principalmente quando a moeda em questão é o dólar.


Qual moeda comprar?

Se o seu destino é algum país da América do Sul, pode ser que valha a pena levar seu dinheiro em reais mesmo. Alguns países aceitam nossa moeda no comércio, por isso pesquise antes de decidir.

Para não correr o risco de voltar para casa com moeda local de sobra, ou se você quiser fazer compras em free shops, prefira usar dólar ou euro. Mas antes, confira se o comércio da cidade aceita moedas estrangeiras. Em Londres, por exemplo, apenas as lojas mais visitadas por turistas manuseiam dólar, euro ou iene. No geral, se usa a libra esterlina. Se quiser praticidade enquanto estiver no comércio e não fazer confusão no caixa, prefira levar uma quantidade na moeda local.


Pronto! Com estes passos, você já pode comprar moeda estrangeira com autoridade no assunto para curtir seu passeio com a maior tranquilidade.

O MelhorCâmbio.com ajuda você a encontrar as cotações mais baixas na sua cidade. Clique aqui para ver os preços das corretoras e comece a planejar sua viagem agora mesmo!

Imagens: Visual Hunt | Pexels