Voltar

Por Camila Almeida

Quando se planeja uma viagem ao exterior, vem a dúvida de que forma pagar as despesas locais: em dinheiro, cartão pré-pago ou de crédito. Um fator determinante na escolha de cada modalidade é, além dos costumes de consumo, o imposto a ser pago. Em cada uma há incidência do Imposto sobre Operações Financeiras, o famoso IOF. Mas afinal, por que há tanta diferença na cobrança da taxa entre espécie e cartões?

1,1%

Esta é a taxa de IOF cobrada sobre o valor que você adquire em moeda estrangeira para gastar lá fora. O governo brasileiro permite a compra de dinheiro em espécie de até R$ 10 mil. Confira a cotação das moedas com IOF e taxas inclusos aqui.

A Receita Federal controla quem entra ou sai do país com valores em moeda nacional ou estrangeira acima desse limite

, comenta o professor de pós-graduação em Controladoria e Finanças do Senac, Roberto Kovacsik.

Para quem passa deste montante, pode optar pela Declaração de Porte de Valores (DPV), que é feita pela internet ou permitir a conferência dos valores declarados no posto de fiscalização aduaneira. A procedência do dinheiro deverá ser justificada bem como o pagamento de impostos necessários. Kovacsik recomenda que o turista consulte as regras do país que visitará a fim de saber quais os limites da quantia de dinheiro e o que deverá declarar ao chegar no destino.

6,38%

Já este é o percentual cobrado na quantia de moeda estrangeira usada tanto em cartões pré-pagos como os de crédito.

A diferença de alíquota das taxas é uma forma da Receita Federal garantir maior arrecadação, uma vez que, nos últimos anos, as compras com cartões vêm crescendo, principalmente para aquisição de mercadorias

, acrescenta o professor. Ele afirma que o aumento do IOF foi a forma encontrada pelo governo de reter as divisas no país, assim como estimular o consumo interno ante os importados.

Até o fim do ano de 2013, a opção do pré-pago era vantajosa pois tinha IOF de apenas 0,38%. Mas, após decisão do governo, o imposto foi equiparado ao da modalidade de crédito, de 6,38%. Além do IOF, o cartão pré-pago também pode ter cobranças de saque em dinheiro no exterior e taxas de administração. Já o de crédito pode ter o limite que for determinado pelo seu banco, porém a conversão da moeda se dá apenas no vencimento da fatura.

Atualizado em 03/05/2016


Imagem: morgueFile