Voltar

Por Alexandre Monteiro

Quer manter sua família saudável quando você viaja? Melhor levar na bagagem de mão algum desinfetante para as mãos ou lencinhos antibacterianos. O site TravelMath recentemente fez uma pesquisa sobre a higiene nos aviões, enviando um biólogo especializado em bactérias para colher amostras em diversos aeroportos e voos.

Primeiro a boa notícia: todas as 26 amostras foram negativas para Escherichia coli, aquela bactéria que é encontrada em superfícies contaminadas por… é isso mesmo, fezes humanas. Porém, o levantamento do biólogo mostrou que há quantidades significativas de outras espécies de bactérias, suficientes para convencê-lo a se livrar dos germes toda vez que pegar um voo.

Mesinhas: Surpreendentemente, as bandejas dos aviões carregam quase dez vezes mais bactérias que o botão de descarga do banheiro, de acordo com o estudo da TravelMath. Adquira o hábito de limpar sua mesinha assim que se sentar.

Botão do bebedouro: Essa é a segunda superfície com mais germes, mas ainda assim tem “apenas” metade das bactérias presentes nas bandejas, conforme a pesquisa. Se você ou seus filhos vão usar o bebedouro no aeroporto, é importante cobrir o botão que dispara a água com um lenço umedecido ou usar um desinfetante para as mãos imediatamente depois.

Ventilador: Depois de limpar a mesinha que servirá de apoio à sua refeição durante o voo, dê atenção ao ventilador acima da sua cabeça. Os passageiros estão constantemente ajustando o fluxo de ar e temperatura dessas estruturas, que ficam realmente sujas.

Botão de descarga: Embora possa parecer estranho, este não é o lugar com mais germes dentro de um avião, mas ainda assim merece atenção. Passe um lencinho e depois, de novo, abuse do desinfetante para as mãos (pode ser o álcool-gel, por exemplo).

Fivela do cinto de segurança: Todo mundo toca a fivela do cinto de segurança várias vezes durante um voo, principalmente nos mais longos. Por isso, é comum que ele pegue bastante bactéria.

Tranca da porta do banheiro: O mesmo vale para a tranca da porta do banheiro. Cada vez que você toca em um, de novo o álcool-gel será seu melhor amigo.

hotel-berlin-berlin-center-capital-city-2

Agora sobre os hotéis. Qual a primeira coisa a fazer quando entra no quarto de hotel? Alguns estudos recentes sugerem que a resposta a essa pergunta seja pegar um pacote de lenços antibacterianos e dar uma geralzona rápida nos objetos que são mais contaminados.

Pelo menos quatro pesquisas feitas desde 2012 têm se utilizado de testes microbiológicos para revelar que os quartos, mesmo limpos pelas equipes de arrumação, contém zonas onde os germes prosperam com mais facilidade. E não adianta achar que são só os hotéis mais simplinhos. A TravelMath descobriu que os estabelecimentos de quatro e cinco estrelas podem ser até mesmo mais sujos que os menos luxuosos.

Quer manter sua família saudável durante as férias? Antes de combinar com seu grupo de descontrair e relaxar, limpe as seguintes superfícies:

Controle remoto: Um estudo feito em 2012 pela Universidade de Houston revelou que superfícies de uso intenso, como o controle remoto da televisão, abrigam um grande número de bactérias. Uma reportagem da NBC feita em 2014 mostrou os mesmos resultados, após coleta de amostras em quartos de diversas redes de hotéis. Nas cinco propriedades testadas, o controle foi, de longe, o item com mais germes, muitas vezes com níveis de quatro a cinco vezes maior do que o limite considerado aceitável. Os hotéis três estrelas tendem a ser os mais sujos.

 

Abajur: O segundo item mais contaminado por bactérias é a lâmpada ao lado da cama, ainda segundo a pesquisa da Universidade de Houston.

Interruptores: De acordo com o mesmo estudo, os interruptores de luz, principalmente os da entrada do quarto e os que ligam e desligam as luzes próximas à cama, são também bastante infectados.

Telefones: Na investigação da NBC, os telefones dos quartos eram “cheios de bactérias”: até três vezes o nível aceitável.

Torneira do banheiro: Em outubro de 2013, um reality show de uma televisão canadense assinalou que a torneira e a bancada dos banheiros continham alto risco de contaminação, apesar da limpeza aparentemente impecável das governantas do hotel. A pesquisa da TravelMath mostrou um dado curioso: hotéis três estrelas eram mais limpos que os de quatro e cinco.

Máquina de café: O mesmo programa de televisão canadense descobriu que as máquinas de café, quando existentes nos quartos de hotel, também são lugares onde os germes gostam de ficar.

Escrivaninha: O estudo da TravelMath descobriu que as escrivaninhas também eram superfícies com bastante bactérias nos quartos de hotel.


Imagem: VisualHunt
Fonte: AboutTravel