Voltar

Por Alexandre Monteiro

Depois do serviço de hospedagem AirBnb e de aplicativos de transporte compartilhado, como o Uber Pool, a economia colaborativa deu à luz outra maneira de viajar, na forma de aluguéis de guarda-roupas que permitem que os turistas viajem com menos peso na bagagem. Os primeiros usuários desta novidade são da geração Y, para a qual dormir em apartamentos de estranhos ou pegar carona com quem nem se conhece é absolutamente habitual.

Na divulgação deste ano do Global Travel Trends, que elenca o que há de mais inovador em serviços de viagens, os pesquisadores apontam para uma variedade de empresas que alugam sapatos e roupas, uma tendência recente lançada pelo ramo hoteleiro e por algumas novas start-ups. Uma das mais conhecidas é a unPack (“desfazer as malas”, na tradução para o português), um conceito que surgiu no reality show de empreendedorismo Shark Tank, da televisão americana.

A premissa é simples: depois de preencher um formulário online que inclui o tamanho das roupas, as marcas preferidas e o destino da viagem, a empresa manda direto para o hotel do cliente uma mala cheia de roupas e outros itens úteis – que ele poderá pegar já no check-in. No fim da estadia, é só devolver no balcão da recepção.

Para quem viaja a trabalho ou lazer de um clima para outro – de Los Angeles a Nova York, por exemplo -, a companhia monta uma mala com jaquetas térmicas, chapéus, cachecóis, luvas e guarda-chuva, eliminando a necessidade de você empacotar coisas de inverno, o que normalmente ocupa bastante espaço. O serviço também ajuda que os passageiros evitem taxas altas de bagagem.

travel-suitcase-airport-luggage-journey-trip

O setor hoteleiro já reconheceu que esta pode ser uma oportunidade para faturar mais e ainda proporcionar uma facilidade ao seu hóspede. A rede Starwood, por exemplo, aluga roupas e tênis de corrida para seus clientes, permitindo-os que poupem espaço nas malas.

No ano passado, a marca de moda francesa Pimkie também instalou “mini bares fashion” em quartos de hotel na Antuérpia, em Bruxelas, Milão e Paris. Assim como um serviço de frigobar, esta facilidade permite que o hóspede alugue roupas e acessórios diretamente do conforto do quarto – entre itens selecionados pela loja especificamente para o clima e a localização da cidade.

“Esta tendência tem implicações para além da viagem em si, já que traz grande potencial também para a indústria da moda”, diz o diretor sênior da World Travel Market, Simon Press. “Designers e estilistas têm alcance em uma larga audiência, especialmente porque se estima haver mais de 28 milhões de quartos de hotel ao redor do mundo.

Vamos torcer para que esta novidade chegue logo ao Brasil?

Fonte: The Sun Daily

Imagens: VisualHunt