Voltar

Por Alexandre Monteiro

Quem possui investimentos no exterior ou pretende fazer uma viagem, com certeza já reparou a diferença nas cotações do dólar comercial e dólar turismo.

Você sabe distinguir cada um? É simples!

A diferença entre ambos se deve às finalidades de cada um.

Dólar comercial

O dólar comercial é utilizado para definir taxas e transações comerciais, como compra/venda e pagamentos/recebimentos de recursos vindos das exportações e importações de bens e serviços.

Dólar turismo

O dólar turismo, por sua vez, é negociado nas casas de câmbio.

O valor é diferente porque são acrescentados impostos, custos de administração, custos do papel-moeda e outros itens que encarecem o dólar.

Ele pode até ser mais caro que o comercial devido a essas taxas. Na hora de comprar o dólar para fazer uma viagem, é preciso levar em conta o dólar turismo.

Para evitar surpresas no valor do dólar no dia que precisar fazer a troca de moedas, procure fazer cotações diariamente e fique de olho nas mudanças do mercado.

É interessante fazer a cotação do dia em um conversor de moedas atualizado.

O ideal é programar com antecedência a viagem, a escolha da casa de câmbio, que pode fazer variar o percentual de lucro, e a troca entre moedas.

O que é o dólar paralelo

Fora dos meios legais, o dólar paralelo é a cotação da moeda feita ilegalmente.

Ou seja, quando é vendido fora da supervisão do Banco Central. Normalmente é utilizado por doleiros de casas de câmbio não autorizadas e regularizadas.

Dicas para comprar dólar para viajar

Se você ignorou o tempo e as sugestões de se programar antecipadamente e ainda não trocou os dólares, saiba que ainda tem chances de economizar.

Apesar de o ideal ser comprar em parcelas mensais, veja abaixo alternativas para evitar surpresas pouco antes da viagem.

#1. Economize com a moeda em espécie

Pense primeiramente nas taxas do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) em relação às operações de câmbio.

A alíquota para a compra de moeda em espécie é de 1,1%, enquanto os custos das compras com o cartão de crédito estão propensos ao IOF de 6,38%.

Ou seja, os valores pagos nas transações com cartão são muito superiores ao gasto nas compras com dinheiro em espécie.

Para quem não se planejou com antecedência, o ideal é levar o maior número possível de dinheiro em espécie para economizar com o imposto.

#2. Prioridade ao cartão pré-pago

No momento de escolher entre o cartão de crédito, dinheiro ou cartão pré-pago, dê preferência para o dinheiro e o cartão pré-pago.

O motivo disso é a garantia de valor durante a viagem.

Quando o cartão é comprado ou recarregado, a cotação do câmbio de turismo será a do dia em que foi fechado.

Ou seja, quando utilizar, a pessoa saberá exatamente o quanto estará pagando quando a dívida for convertida na fatura.

#3. Não deixe de ter um cartão para emergências

Mesmo que tenha realizado a compra do dólar e esta opção seja mais vantajosa, não deixe de levar um cartão de crédito ou pré-pago para garantir a segurança durante a viagem internacional.

Em caso de perda ou roubo os cartões podem ser substituídos, além de algumas empresas possibilitarem o saque de emergência nestes tipos de situação.

Por isso, opte por levar um tipo de cartão de crédito – ou os dois.

#4. Mescle as formas de pagamento

Jamais – jamais mesmo – tenha apenas uma forma de recurso. Levar apenas dinheiro para sua viagem é uma furada.

Primeiro por conta do item anterior (emergências), segundo devido à comodidade que cada forma de pagamento oferece.

Vale a pena que o viajante mescle os recursos financeiros para que consiga fazer a gestão com mais facilidade.

Divida, portanto, a verba em dinheiro em espécie (papel moeda) e cartão pré-pago. Não é interessante gastar todo o dinheiro, nem utilizar sem limites o cartão pré-pago.

#5. Pesquise antes de trocar a moeda

Pesquisar a melhor taxa de câmbio pode ser um diferencial para conseguir economizar durante a viagem.

As casas de câmbio possuem valores e taxas diferentes, além de descontos e serviços.

Algumas entregam na casa do cliente ou oferecem possibilidade de compra online ou por telefone.

A segurança na compra e nas operações são itens que devem ser levados em consideração na compra do dólar.

Antes de comprar, confira se a instituição financeira está credenciada pelo Banco Central e habilitada a oferecer este tipo de serviço.

Regras para comprar dólar

O Banco Central proíbe que turistas comprem o dólar comercial, sendo necessário ainda apresentar documentos que comprovem a origem do dinheiro (em R$) utilizado para a compra e documentos.

As instituições credenciadas possuem regras e limite de compra. É comum que o limite seja de US$ 3 mil com a obrigação de comprovar por meio da declaração de Imposto de Renda, pagamento em folha ou outra forma.

Os documentos normalmente solicitados são:

– Identidade;

– CPF;

– Comprovante de residência.

Você tem alguma dúvida sobre o dólar comercial e o dólar turismo? Comente abaixo!